sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Nomeação suspeita

Duarte Gomes. É este o árbitro do Belém-Porto de domingo. O mesmo que esteve no Dragão no jogo com o Marítimo e conseguiu enervar toda a gente, até o seu motorista. Mas o receio pode advir também do seu fiscal de linha José Lima. Não me esquecerei nunca que este senhor evitou a eliminação do benfas na taça da liga no jogo da Amadora na época transacta. Um corte de cabeça ao minuto 89 foi interrompido 30 segundos depois por Duarte Gomes. Este prepara-se para apitar off-side ou outra coisa qualquer mas o seu bandeirinha (J.Lima) chama-o à parte. Meio envergonhado diz que foi corte com a mão. O árbitro marca penalty, Risada geral no estádio, inclusive nos jogadores encarnados. E assim, se construem vitórias «calabotianas»... Por outro lado há a questão dos 3 amarelados em risco, Fucile, Licha e Hulk, muito cuidado... Espero também que Rui Costa (não o empregado do túnel da Luz), árbitro do jogo da Luz (Benfas-Rio Ave), os tenha bem no sítio, não hesitando nos cartões a Maxi e ao Ovo Kinder, se o merecerem...

3 comentários:

dragao vila pouca disse...

Sobre a questão dos amarelos há muitas maneiras de matar pulgas.
Espero que o mrango sem açúcar faça uma boa arbitragem e não passe a vida a querer ser protagonista.
Um abraço

dragao vila pouca disse...

Apito Final - Tribunal Constitucional considera escutas telefónicas ilegais
O Tribunal Constitucional (TC) rejeitou o recurso do Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e considerou definitivamente ilegal a utilização das escutas telefónicas do Apito Dourado no âmbito do processo de corrupção desportiva Apito Final.

Um abraço

jm disse...

Cartões e intenções
JORGE MAIA (OJOGO)

Algumas pessoas, certamente mal-intencionadas, poderiam imaginar que Duarte Gomes e o seu auxiliar Pedro Garcia pretendiam prejudicar o FC Porto - ou beneficiar o Benfica, tanto faz - quando resolveram admoestar Fucile com um cartão amarelo depois de um lance em que a bola, chutada à queima-roupa, bateu na mão do lateral portista. Imaginariam essas pessoas que a intenção dos árbitros lisboetas seria a de "meterem a mão" no clássico do próximo fim-de-semana impedindo a utilização do lateral pelo FC Porto na recepção aos encarnados. Pelo caminho, garantiriam a devida retribuição pelo desentendimento entre o seu motorista e um assessor do FC Porto no jogo com o Marítimo, na 12.ª jornada. Ora, essa tese, ainda que perfeitamente credível, ignora as subtilezas do humor do árbitro lisboeta, tão evidentes na forma como mandou o banco de suplentes do tricampeão nacional acalmar-se logo depois de ter punido Fucile. Na verdade, parece-me que a intenção de Duarte Gomes, ao mostrar amarelo a Fucile por um lance tão claramente casual, não foi mais do que demonstrar o seu apoio e solidariedade ao companheiro Pedro Henriques, tão violentamente criticado na Luz por um lance semelhante. Claro que, para o gesto ser completo, Duarte Gomes devia passar umas semanas na jarra.